Texto 16 out. Eleições 2014
1. Lucro do BNDES: 
2002 – 550 milhões
2013 – 8,15 bilhões

2. Lucro do Banco do Brasil: 
2002 – 2 bilhões
2013 – 15,8 bilhões

3. Lucro da Caixa Econômica Federal:
2002 – 1,1 bilhões
2013 – 6,7 bilhões

4 Produto Interno Bruto: 
2002 – R$ 1,48 trilhões
2013 – R$ 4,84 trilhões

5. PIB per capita:
2002 – 7,6 mil
2013 – 24,1 mil

6. Dívida líquida do setor público: 
2002 – 60% do PIB
2013 – 34% do PIB

7. Produção de veículos: 
2002 – 1,8 milhões
2013 – 3,7 milhões

8. Safra Agrícola: 
2002 – 97 milhões de toneladas
2013 – 188 milhões de toneladas

9. Investimento Estrangeiro Direto: 
2002 – 16,6 bilhões de dólares
2013 – 64 bilhões de dólares

10. Reservas Internacionais:
2002 – 37 bilhões de dólares
2013 – 375,8 bilhões de dólares

11. Índice Bovespa: 
2002 – 11.268 pontos
2013 – 51.507 pontos

12. Empregos Gerados: 
Governo FHC – 627 mil p/ano
Governo PT – 1,79 milhões p/ano

13. Taxa de Desemprego: 
2002 – 12,2%
2013 – 5,4%

14. Valor de Mercado da Petrobras: 
2002 – 15,5 bilhões
2014 – 104,9 bilhões

15. Média de Lucro da Petrobras: 
Governo FHC – 4,2 bilhões p/ano
Governo PT – 25,6 bilhões p/ano

16. Falências Requeridas em Média p/ano: 
Governo FHC – 25.587
Governo PT – 5.795

17. Salário Mínimo: 
2002 – 200 Reais (1,42 cestas básicas)
2014 – 724 reais (2,24 cestas básicas)

18. Dívida Externa em Relação às Reservas:
2002 – 557%
2014 – 81%

19. Economia do Mundo:
2002 - 13ª
2014 - 7ª

20. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas

21. Salário Mínimo Convertido em Dólares:
2002 – 86,21
2014 – 305,00

22. Passagens Aéreas Vendidas:
2002 – 33 milhões
2013 – 100 milhões

23. Exportações:
2002 – 60,3 bilhões
2013 – 242 bilhões

24. Inflação Anual Média:
Governo FHC – 9,1%
Governos PT – 5,8%

25. PRONATEC – 6 Milhões de pessoas

26. Taxa Selic:
2002 – 18,9%
2012 – 8,5%

27. FIES – 1,3 milhões de pessoas com financiamento universitário

28. Minha Casa Minha Vida – 1,5 milhões de Famílias beneficiadas

29. Luz Para Todos – 9,5 milhões de pessoas beneficiadas

30. Capacidade Energética: 
2001 - 74.800 MW
2013 - 122.900 MW

31. Criação de 6.427 creches

32. Ciência Sem Fronteiras – 100 mil beneficiados

33. Mais Médicos (Aproximadamente 14 mil novos profissionais): 50 milhões de beneficiados

34. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza

35. Criação de Universidades Federais: 
Governos do PT - 18
Governos do FHC - zero

36. Criação de Escolas Técnicas:
Governo PT - 214 
Governo FHC - 0
De 1500 até 1994 - 140

37. Desigualdade Social: 
Governo FHC - Queda de 2,2%
Governo PT - Queda de 11,4%

38. Produtividade: 
Governo FHC - Aumento de 0,3%
Governo PT - Aumento de 13,2%

39. Taxa de Pobreza:
2002 - 34%
2012 - 15%

40. Taxa de Extrema Pobreza:
2003 - 15%
2012 - 5,2%

41. Índice de Desenvolvimento Humano:
2000 - 0,669 
2005 - 0,699
2012 - 0,730

42. Mortalidade Infantil:
2002 - 25,3 em 1000 nascidos vivos
2012 - 12,9 em 1000 nascidos vivos

43. Gastos Públicos em Saúde:
2002 - 28 bi
2013 - 106 bi

44. Gastos Públicos em Educação:
2002 - 17 bi
2013 - 94 bi

45. Estudantes no Ensino Superior: 
2003 - 583.800 
2012 - 1.087.400

46. Risco Brasil (IPEA):
2002 - 1.446
2013 - 224

47. Operações da Polícia Federal:
Governo FHC - 48 
Governo PT - 1.273 (15 mil presos)

48. Varas da Justiça Federal:
2003 - 100 
2010 - 513

49. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C)

50. 42 milhões de pessoas saíram da miséria


FONTES:
http://www.dpf.gov.br/agencia/estatisticas
http://www.washingtonpost.com
OMS, Unicef, Banco Mundial e ONU
índice de GINI: www.ipeadata.gov.br
Ministério da Educação
IBGE, IPEA, PNAD
Banco Mundial
Banco Central

———————-

Comentando cada ponto:

———————-

Comentando ponto a ponto (os cálculos de correção foram com a calculadora do cidadão fornecida pelo BC » Calculadora ):

1. Lucro do BNDES: 

2002 – 550 milhões (corrigido 1,13 bilhões)
2013 – 8,15 bilhões

2. Lucro do Banco do Brasil: 
2002 – 2 bilhões (corrigido 4,12 bilhões)
2013 – 15,8 bilhões

3. Lucro da Caixa Econômica Federal:
2002 – 1,1 bilhões (corrigido 2,26 bilhões)
2013 – 6,7 bilhões

4 Produto Interno Bruto: 
2002 – R$ 1,48 trilhões (3,05 trilhões)
2013 – R$ 4,84 trilhões

5. PIB per capita:
2002 – 7,6 mil (15,6 mil)
2013 – 24,1 mil

6. Dívida líquida do setor público: (gosto assim  usando porcentagem)
2002 – 60% do PIB
2013 – 34% do PIB

7. Produção de veículos: (vixe)
2002 – 1,8 milhões
2013 – 3,7 milhões

8. Safra Agrícola: (ainda somos um país preponderantemente exportador de comida e não de bens  )
2002 – 97 milhões de toneladas
2013 – 188 milhões de toneladas

9. Investimento Estrangeiro Direto: 
2002 – 16,6 bilhões de dólares (34,23 bilhões)
2013 – 64 bilhões de dólares

10. Reservas Internacionais:
2002 – 37 bilhões de dólares (76,3 bilhões)
2013 – 375,8 bilhões de dólares

11. Índice Bovespa: (não saco)
2002 – 11.268 pontos
2013 – 51.507 pontos

12. Empregos Gerados:
(a população +/- 11% - http://www.vermelho.org.br/noticia/192635-1 - então vou considerar que os empregos crescem na mesma proporção)
Governo FHC – 627 mil p/ano (ficaria 695,9 mil/ano)
Governo PT – 1,79 milhões p/ano

13. Taxa de Desemprego: (porcentagem facilita minha vida e essa posso pular)
2002 – 12,2%
2013 – 5,4%

14. Valor de Mercado da Petrobras: 
2002 – 15,5 bilhões (31,96 bilhões)
2014 – 104,9 bilhões

15. Média de Lucro da Petrobras: 
Governo FHC – 4,2 bilhões p/ano (8,66 bilhões)
Governo PT – 25,6 bilhões p/ano

16. Falências Requeridas em Média p/ano: (considerando crescimento de 11% da população)
Governo FHC – 25.587 (28.401)
Governo PT – 5.795

17. Salário Mínimo: 
2002 – 200 Reais (1,42 cestas básicas) [412,44 reais]
2014 – 724 reais (2,24 cestas básicas)

18. Dívida Externa em Relação às Reservas: ( S2 % )
2002 – 557%
2014 – 81%

19. Economia do Mundo: (isso não significa que o povo ficou mais rico)
2002 - 13ª
2014 - 7ª

20. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas

21. Salário Mínimo Convertido em Dólares:
2002 – 86,21
2014 – 305,00

22. Passagens Aéreas Vendidas:
2002 – 33 milhões (36,6 milhões com crescimento de 11%)
2013 – 100 milhões

23. Exportações: (reais? dólares? quantidade?)
2002 – 60,3 bilhões
2013 – 242 bilhões

24. Inflação Anual Média: (% é mara)
Governo FHC – 9,1%
Governos PT – 5,8%

25. PRONATEC – 6 Milhões de pessoas

26. Taxa Selic: (não saco)
2002 – 18,9%
2012 – 8,5%

27. FIES – 1,3 milhões de pessoas com financiamento universitário

28. Minha Casa Minha Vida – 1,5 milhões de Famílias beneficiadas

29. Luz Para Todos – 9,5 milhões de pessoas beneficiadas

30. Capacidade Energética: (crescimento de 11%)
2001 - 74.800 MW (83.028 MW)
2013 - 122.900 MW

31. Criação de 6.427 creches (e antes?)

32. Ciência Sem Fronteiras – 100 mil beneficiados

33. Mais Médicos (Aproximadamente 14 mil novos profissionais): 50 milhões de beneficiados

34. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza
(esse ponto é questionável pq houve uma mudança nos valores das Classes de Renda fazendo com que uma pessoa antes considerada ‘extremamente pobre’ passou a ser ‘pobre’, mas sem mudanças reais na vida dela. Foi uma maquiagem de dados. Só achei a tabela mais atual  - fonte - )

35. Criação de Universidades Federais: ( \o/ )
Governos do PT - 18
Governos do FHC - zero

36. Criação de Escolas Técnicas: ( \o/ [2] )
Governo PT - 214 
Governo FHC - 0
De 1500 até 1994 - 140

37. Desigualdade Social: (tá vendo que porcentagem facilita minha vida?)
Governo FHC - Queda de 2,2%
Governo PT - Queda de 11,4%

38. Produtividade: 
Governo FHC - Aumento de 0,3%
Governo PT - Aumento de 13,2%

39. Taxa de Pobreza:
2002 - 34%
2012 - 15%

40. Taxa de Extrema Pobreza:
2003 - 15%
2012 - 5,2%

41. Índice de Desenvolvimento Humano:
2000 - 0,669 
2005 - 0,699
2012 - 0,730

42. Mortalidade Infantil:
2002 - 25,3 em 1000 nascidos vivos
2012 - 12,9 em 1000 nascidos vivos

43. Gastos Públicos em Saúde: (crescimento de 11%…)
2002 - 28 bi (ficando 31,08 bi)
2013 - 106 bi

44. Gastos Públicos em Educação:
2002 - 17 bi (16,87 bi com 11% de crescimento da população e 34,78 convertendo pra valores atuais)
2013 - 94 bi

45. Estudantes no Ensino Superior: 
2003 - 583.800 (648.018 com 11%)
2012 - 1.087.400

46. Risco Brasil (IPEA): (não saco, mas vejo uma queda)
2002 - 1.446
2013 - 224

47. Operações da Polícia Federal:
Governo FHC - 48 
Governo PT - 1.273 (15 mil presos)

48. Varas da Justiça Federal:
2003 - 100 (111 com 11%)
2010 - 513

49. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C) (ver o ponto 34)

50. 42 milhões de pessoas saíram da miséria (ver o ponto 34)

—————————-

O problema são médicos cubanos?

FHC também trouxe:

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/112859/Quando-FHC-trouxe-cubanos-Veja-aplaudiu.htm

O problema é ter “dado” o estaleiro a Cuba? Não, ninguém deu. Emprestou e estamos recebendo com juros. Pequena obs.: FHC também emprestou:

http://tijolaco.com.br/blog/?p=13150

No debate, Aécio não foi tão bem:

http://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2014/10/aecio-mentiu-no-debate-e-ate-o-globo.html

http://noblat.oglobo.globo.com/meus-textos/noticia/2014/10/dilma-venceu-aecio-no-debate-da-rede-bandeirantes.html

—————————-
Com o tempo vou colocando mais e mais dados

Texto 7 out. Falácias

Ad hominem

Ad mulierem

Reductio ad hitlerum

Reductio ad peteum

Reductio ad tucaneum

Reductio ad tua gradu

Texto 28 ago. Os Ônibus

Lotados os ônibus,
Saem da parada em penumbra,
Aos sacolejos, os ânimos.
A rua os deslumbra.

Em ronco um caminhão,
Buzina ao bacurau que vai e vem:
- “Hoje tem 
paralisação!”
- “Não tem!” - “Tem!” - “Não tem!”.

O circular ligeiro,
Motorista aguado,
Diz: - “Meu passageiro
É bem martelado.

Vede como primo
Em passar nos buracos!
Que arte! É o mínimo
Aos seus sovacos.

O meu caminho vai além
Vou sem freio.
Faço paradas bem
Da rua, no meio.

Vai por cinqüenta minuto’ 
Que lhes deixo esperando:
Reduzi no engarrafamento
Do trajeto vou desviando.

Buzina a ‘frotaria’
Em críticas céticas:
Não há mais paralisia,
Mas há horas frenéticas…”

Buzina o bacurau:
- “Ontem eu parei!”- “Foi!”
- “Não foi!” - “Foi!” - “Não foi!”.

Buzina em um assomo
O integração-não-ligeiro:
- A grande arte é como
Sacudir o passageiro.

Ouvido de rodoviário.
Tudo quanto é grito,
Tudo quanto é horário,
Canta pneu aflito”.

Outro, no ônibus grita
(Um mal passageiro cabe),
Apertados pelas tripa’,
- “Sobe!” - “Não sobe!” - “Sobe!”.

Longe dessa grita,
Lá onde mais densa
A avenida infinita
Vê-se a pessoa imensa;

Lá, dormindo no fundo,
Sem glória, sem fé,
No sono profundo
E espremido, é

Que reclamas tu,
Transportado no não frio,
Ônibus-cururu
Nessa rua quase rio…

——————-

Adaptado por Iago. Original: Os Sapos - Manuel bandeira

Citação 3 jun.
É como se ninguém tivesse mais que fazer do que vigiar as idas e vindas dos vizinhos; e, de qualquer maneira que nos conduzamos, tornamo-nos o alvo de todas as bisbilhotices.
— 

Marta

- Fausto (Goethe)

Citação 31 mar.

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguém me esqueça

— Cálice - Chico Buarque
Foto 6 mar.
Texto 17 fev. Medo

Tenho medo das minhas “previsões” para o futuro. “Previ” espionagem em altíssimo grau por parte dos governos, anos depois veio a bomba Snowden que confirmou. “Previ” a ‘primavera’ vindo para a América do Sul e sendo duramente reprimida pelas ‘democracias’ locais. “Previ” protestos perdendo rumo, protestos sendo empoderados por políticos para uso em campanhas políticas (‘no meu governo, os protestos foram pacíficos’) [essa parte ainda será confirmada]. Policiais infiltrados em protestos e partidos bancando protestos nem precisavam ser “previstos”. O governo reprimindo e colocando o povo contra o povo é outro ponto que não precisava ser “previsto”. “Previ” o povo fugindo para a zona rural e criando suas próprias forças armadas. “Previ” a pobreza tomando áreas geralmente associadas à classes mais abastadas. “Previ” a incapacidade do governo (qualquer que seja) de controlar seja o que fosse, no máximo desviaria algo, mas não o controlaria. “Previ” a tentativa de controle de forma autoritária (violência e leis desproporcionais). A bolha todos viram, nem preciso falar nada…

Temos um país ‘tridividido’ [bom dia, neologismo] entre governo, esquerda-caviar e direita-liberosa. Os protestos foram empoderados para que o governo fosse visto como uma vítima e para ser retirado do foco dos protestos. Hoje a ‘tridivisão’ é vista como uma ‘bidivisão’ e lutamos nós contra nós mesmos. E o futuro? Do futuro tenho medo por ver poucas saídas e ter uma visão pessimista que me faz acreditar que ocorrerá a pior das possibilidades.

Para o futuro temos poucas saídas e a mais provável é a entrada de um novo governo (também pseudo-democrático) de extrema direita que doará o país e dará o máximo de pão e circo em um último fôlego antes de ruir de vez. Só que esse não é o futuro que dá-me medo. Meu medo é surgimento de um líder carismático que faça as massas perceberem o inimigo comum, que unifique o povo contra o governo, que prometa reerguer o país, que use o povo para entrar no poder público prometendo a salvação e lá torne-se um ditador também de extrema direita.

Nada do que “previ” foi uma previsão per si. Só vi a história de Roma se repetindo de forma levemente distorcida e com seus eventos ocorrendo no ritmo dos dias atuais. Esse medo do futuro é ver que o país tem um povo desiludido, dividido e é um país fodido, por ele mesmo, dando espaço para o surgimento de um líder carismático, mas menos democrático que o governo atual (ainda digo que vivemos uma aristocracia e não democracia). Nunca quis tanto estar completamente errado.

Texto 28 jan. Porque o “X” não deveria ser usado para indefinir gênero e uma sugestão de solução.

Ultimamente podemos ver que as pessoas estão começando a usar o “X” indefinir o gênero, apoiando as pessoas que não são de nenhum dos dois gêneros da língua portuguesa. Por exemplo:

"Xs amigxs estão passeando".

A ideia de retirar o gênero da frase para torná-la neutra não é só aceitável, como é louvável. O problema está na forma em que foi feita. Aparentemente isso foi coisa de alguém que goste muito de matemática que colocou uma “variável” no lugar e deixou para que cada um “calcule” o resultado. Na hora de ler, o ‘X’ chama atenção para algo, mas atrapalha o fluxo da leitura e impossibilita que o texto seja pronunciado na língua portuguesa. Nossa língua não permite sílabas sem vogais. Nossa língua falada não abrange “gxs”, por exemplo.

Outras línguas, como o alemão, possuem um gênero extra chamado de “neutro”. Esse gênero poderia ser adicionado a língua portuguesa de modo que possamos falar sem ficar “xxxxxxiando” na tentativa de deixar claro que é um gênero não masculino nem feminino.

No português, a desinência de gênero é dada por uma vogal. Temos “O” para masculino e “A” para feminino. Temos, portanto, outras 3 vogais para o gênero neutro.

Considerando que o “U” possui um som bastante próximo ao do “O” (amigus, amigos…), o “U” pode ser desconsiderado para evitar confusões entre quem fala e quem escuta.

O “E” causaria problemas por já existir um advérbio de adição “e” e o verbo ‘ser’ quando na sua forma “é”.

O que sobra é a vogal “I” que também pode gerar confusões, nesse caso, quando a oração exigir um advérbio de adição e um artigo definido. Por exemplo: “Vamos passear eu e is amiguis”.

O “U” possui som bastante próximo ao do “O” e pode gerar confusões. O “E” possui dois problemas e um deles é com o verbo “ser” que é bastante utilizado. O “I” possui um problema cacofônico.

A meu ver, o “I” seria a vogal ideal para expressar o gênero neutro na língua portuguesa assumindo o lugar do “X” atualmente utilizado mesmo sendo impronunciável.

Foto 24 jan.
Foto 24 jan.

Design crafted by Prashanth Kamalakanthan. Desenvolvido por Tumblr.